Terça-feira, 4 de Outubro de 2011

REDINHA - Pombal - Leiria

REDINHA

FOTO de Albano Nascimento

                                          

                                     Redinha foi vila muito antiga, com primeiro foral dado por D. Gualdim Pais, Mestre da Ordem do Templo, em 1159, em nome de Rodina . A Ordem teve aí um dos castelos que construiu entre Coimbra e Leiria, ficando esta povoação para sempre ligada à memória dos cavaleiros templários. Após a extinção desta ordem, Redinha passou para a posse da Ordem de Cristo. D. Manuel concedeu-lhe foral novo em 1513, datando de então o levantamento do actual pelourinho. Este, que se erguia então diante da Casa da Câmara e cadeia comarcã, esteve a partir de data incerta transformado em cruzeiro, com a Igreja de São Francisco em pano de fundo. Foi restaurado e devolvido à sua função original em 1933.
O pelourinho assenta numa larga plataforma de quatro degraus octogonais, algo toscos, acrescida de um quinto degrau idêntico, servindo de base à coluna. Este possui faces lisas até meia altura, com um rebordo, e côncavas a partir daí. A coluna é na verdade um pilar de secção quadrada, tornado oitavado através de ligeiras chanfraduras nos ângulos, que seguem até curta distância do topo, onde o fuste retoma secção quadrada. Esta funciona de facto como arremedo de capitel, aí assentando directamente o remate. Resume-se este a um prisma de secção quadrada, com faces ornadas da cruz da Ordem de Cristo, a esfera armilar, emblema pessoal de D. Manuel, e ainda pelos vestígios de um escudo, seguramente o escudo régio. Este bloco é finalmente rematado por duas estreitas molduras quadradas e por uma pequena pinha estriada.
Note-se a clareza da aposição da habitual heráldica manuelina, nomeadamente a cruz da Ordem de Cristo, donatária de Redinha na altura da construção do monumento, e a esfera armilar, emblema pessoal de D. Manuel, que além de reinar, e ser outorgante da carta foralenga, era igualmente Grão-Mestre da referida Ordem. SML (IPPAR)

sinto-me:

publicado por Albano Nascimento às 00:01
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011

REDINHA - Pombal - Leiria

REDINHA

FOTO de Albano Nascimento


publicado por Albano Nascimento às 00:01
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 2 de Outubro de 2011

REDINHA - Pombal - Leiria

REDINHA

FOTO de Albano Nascimento


publicado por Albano Nascimento às 00:01
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 1 de Outubro de 2011

REDINHA - Pombal - Leiria

REDINHA

 

FOTO de Albano Nascimento


publicado por Albano Nascimento às 00:01
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

REDINHA - Pombal - Leiria

Redinha - Pombal - Leiria 

FOTO de Albano Nascimento

                                        

                                         Redinha foi vila muito antiga, com primeiro foral dado por D. Gualdim Pais, Mestre da Ordem do Templo, em 1159, em nome de Rodina . A Ordem teve aí um dos castelos que construiu entre Coimbra e Leiria, ficando esta povoação para sempre ligada à memória dos cavaleiros templários. Após a extinção desta ordem, Redinha passou para a posse da Ordem de Cristo. D. Manuel concedeu-lhe foral novo em 1513, datando de então o levantamento do actual pelourinho. Este, que se erguia então diante da Casa da Câmara e cadeia comarcã, esteve a partir de data incerta transformado em cruzeiro, com a Igreja de São Francisco em pano de fundo. Foi restaurado e devolvido à sua função original em 1933.
O pelourinho assenta numa larga plataforma de quatro degraus octogonais, algo toscos, acrescida de um quinto degrau idêntico, servindo de base à coluna. Este possui faces lisas até meia altura, com um rebordo, e côncavas a partir daí. A coluna é na verdade um pilar de secção quadrada, tornado oitavado através de ligeiras chanfraduras nos ângulos, que seguem até curta distância do topo, onde o fuste retoma secção quadrada. Esta funciona de facto como arremedo de capitel, aí assentando directamente o remate. Resume-se este a um prisma de secção quadrada, com faces ornadas da cruz da Ordem de Cristo, a esfera armilar, emblema pessoal de D. Manuel, e ainda pelos vestígios de um escudo, seguramente o escudo régio. Este bloco é finalmente rematado por duas estreitas molduras quadradas e por uma pequena pinha estriada.
Note-se a clareza da aposição da habitual heráldica manuelina, nomeadamente a cruz da Ordem de Cristo, donatária de Redinha na altura da construção do monumento, e a esfera armilar, emblema pessoal de D. Manuel, que além de reinar, e ser outorgante da carta foralenga, era igualmente Grão-Mestre da referida Ordem. SML(IPPAR)

 


publicado por Albano Nascimento às 00:01
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 18 de Setembro de 2011

POMBAL - Leiria

Pombal - LeiriaPOMBAL - Leiria

FOTO de Albano Nascimento

                                            O primeiro foral de Pombal foi dado em 1174 pelos Templários, que detinham o senhorio da povoação desde a doação feita em c. 1160 a D. Gualdim Pais, mestre da Ordem, por D. Afonso Henriques. Pombal recebeu foral novo de D. Manuel, em 1512, na sequência do qual terá sido erguido um pelourinho. Nada se sabe acerca deste monumento, que foi supostamente substituído por um outro, setecentista, atribuído ao senhorio do Marquês de Pombal, que aqui viveu entre 1777 e 1782, e procedeu à ordenação da parte baixa da vila. Ao Marquês deve-se a construção da cadeia (conhecida por Cadeia Velha) e do celeiro, na Praça Velha da povoação, hoje Praça Marquês de Pombal. Aqui se erguia supostamente o antigo pelourinho quinhentista, e aqui terá sido igualmente levantado o outro, que depois foi deslocado para o pequeno Largo do Pelourinho, junto à estação ferroviária. Existem ainda referências à sua localização na Rua das Canas, em 1876. O monumento encontra-se actualmente em fragmentos, alguns destes conservados nos claustros do Convento do Cardal, onde estão instalados os Paços do Concelho. Entre estes fragmentos está um troço do fuste, oitavado, e ainda uma pedra que pode ter pertencido ao remate. Segundo consta, um outro troço do fuste está incrustada num muro do castelo da localidade.
Na última década do século XX foi erguido um pelourinho moderno, no largo do mesmo nome, da autoria do escultor Soares Branco. Este pelourinho não se encontra classificado; a classificação respeita aos fragmentos do anterior monumento. SML (IPPAR)

 

sinto-me:
tags: ,

publicado por Albano Nascimento às 14:27
link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
|

.Mais sobre mim

.Pesquisar neste blog

 

.links

.arquivos

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.LUMBUDUS

blog-logo

.Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.VISITAS

.Visitas online

blogs SAPO